Texto Base: Tiago 5:16

A palavra de Deus nos diz o seguinte: “Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos.”

Em algum momento já ouvimos sobre a oração de poder, essa oração é aquela que parte de um coração contrito e confiante. Essas duas palavras são fundamentais para que a oração deixe de ser um mero palavreado e se torne uma mensagem para Deus. Quando Tiago conclui sua carta falando sobre a oração de poder ele está se referindo à estas qualidades que não podem faltar no ato da nossa conversa pessoal com o Senhor, ou seja, contrição e confiança. Só o justo pode orar com essas duas virtudes em seu coração.

Contrito porque a oração eficaz parte sempre de um coração puro, reverente e submisso diante de Deus.

Puro porque para falar com o Eterno devemos confessar nossos pecados e estarmos disposto a não mais cometê-los.

Reverente porque para conversar com Deus devemos nos colocar na condição de servo diante de seu Senhor.

Submisso porque para ouvir o Senhor temos que estar dispostos a fazer sua vontade.

Confiança porque a oração eficaz parte sempre de um coração que crer no Deus que pode operar maravilhas em nossa vida.

O apostolo afirma nesse texto bíblico usado para base da nossa reflexão que a oração do justo pode muito em seus efeitos, e sabemos disso porque vivemos constantemente a atuação e resposta resultante de nossas orações.

Será que estamos sentindo o poder de Deus operando em consequência da ação de nossas orações ou nada recebemos em consonância com a nossa Súplica?

Vale lembrar que a oração do crente pode mover o mundo, mas para isso precisa partir de um coração verdadeiramente justo e contrito. Que a nossa oração seja por “Faz-me Senhor ser sensível à tua vontade, sabendo que se houver justiça em meu coração tu me ouvirá, pois, a oração de um justo pode muito em seus efeitos”.

Que Deus nos abençoe.

Amém

 

Em Cristo Jesus e porque Ele vive!
Pr. Antônio José Azevedo Pereira