Texto Base: Provérbios 11.30

O texto sagrado relata o seguinte: “O fruto do justo é árvore de vida, e o que ganha almas é sábio.

Aqueles que são justificados pela fé realmente não pertence mais a si mesmo, mas a outro. Pertencemos aquele que nos resgatou pelo preço de seu sofrimento os quais removeram nossos pecados. Esse é um princípio do qual devemos estar convencidos e de forma consciente adaptar nossa vida.

A Salvação pela graça não é um benefício a ser guardado só para nós, ela não deve ser tratada como um pretexto para acomodação nem muito menos uma persuasão enganosa de Justiça própria. A Salvação pela graça é um fogo que deve arder, uma fonte que deve correr, um contágio Divino que deve espalhar-se. O fruto do justo e árvore da vida diz o texto, portanto, somos justificados pela fé, mas será que possuímos a vida em abundância? Temos o impulso da Igreja Primitiva que dá força ao nosso testemunho para ganhar almas? Somos árvores que dão frutos ou somente folhas?

As almas inicialmente foram arrancadas do Criador e devemos libertá-las do grande ladrão que é Satanás, elas foram envenenadas, seduzidas e enganadas pelas armadilhas do inimigo. É preciso ganha-las pelo amor e prendê-las a Jesus. Por toda parte a almas sem certeza e vazias de convicção na Salvação em Cristo.

Quem ganha almas sábio é. A conquista de vidas trata-se de uma luta muito dura para arrancar os cativos das mãos do inimigo, não podemos fazer nada em nossas próprias forças só a força e sabedoria do Senhor pode conceder essa vitória.

Devemos compreender e considerar a natureza espiritual desse combate conhecendo suas leis e buscando a proteção de todas as armas que o Senhor nos oferece, precisamos ainda de paciência e amor para conquistar essas almas. O coração sede ao amor, porém esse sentimento deve ser regado com cautela. Que possamos procedermos dessa forma e assim ganhar muitas vidas para o Senhor. Que Deus nos abençoe. Amém.

 

Em Cristo Jesus e porque Ele vive!
Pr. Antonio José Azevedo Pereira