Outubro é um mês de extrema importância para a Mastologia no Brasil e no mundo. O Outubro Rosa chega colorindo monumentos com o objetivo de alertar e chamar a atenção para a problemática do câncer de mama. Essa neoplasia corresponde a cerca de 25% de todos os cânceres que acometem mulheres, ficando atrás somente do câncer de pele não melanoma, e é a principal causa de morte por câncer nessa população. Estatísticas do Instituto Nacional do Câncer (INCA) – Ministerio da Saúde, no que se refere ao estado do Ceara e Fortaleza estimam, respectivamente, 2.160 e 870 novos casos de câncer de mama para o ano corrente.

Precisamos de uma mudança de hábitos na população feminina. Precisamos de diagnóstico precoce em câncer de mama.  Tumores pequenos nos levam a tratamentos menos agressivos e mais conservadores onde a mulher pode fazer uma cirurgia sem a retirada total da mama que é chamada de quadrantectomia. Muitas vezes a doença menor sequer necessita de quimioterapia que é, sem dúvida, a etapa mais difícil do tratamento.

O câncer de mama é uma doença silenciosa, de crescimento lento na maioria das vezes. O diagnóstico precoce só é possível através da mamografia em pacientes assintomáticas. É esse o único exame de imagem da mama autorizado para rastreamento e que reduz mortalidade. A neoplasia mamária por ter origem multifatorial, torna-se mais complexa para uma campanha de prevenção. E, apesar de várias iniciativas, não percebemos uma diminuição no aparecimento deste tumor, pelo contrário, vem aumentando seu diagnóstico ao longo dos anos. 

Existem alguns fatores de risco para o desenvolvimento do câncer de mama. Dentre eles os mais conhecidos e que não podemos modificar são: idade, a partir dos 50 anos, menarca precoce( primeira menstruação antes dos 12 anos), menopausa tardia(após 55 anos), primeira gravidez após 30 anos ou nuliparidade( não ter engravidado), história familiar de câncer de mama em parente de primeiro grau, uso de contraceptivos hormonais e de terapia de reposição hormonal pós menopausa, especialmente se por tempo prolongado. O uso de contraceptivo hormonais é considerado um fator de risco pela Agência Internacional de Pesquisa em Câncer. 

Da Organização Mundial de Saúde embora muitos estudos sobre o tema tenham resultados controversos. O diagnóstico de um câncer de mama pode ser devastador para algumas mulheres em um primeiro momento. A dúvida da cirurgia a ser feita, com a perda da mama ou não, o abalo da feminilidade, o receio do apoio do companheiro, o afastamento do trabalho, a dúvida dos filhos. 

O Outubro Rosa é um mês de conscientização das mulheres. Tentamos alertar, orientar e mostrar à população que o câncer de mama existe, está presente em muitas famílias, mas é uma doença tratável e muitas vezes curável. Mais que isso, queremos mostrar que só uma ação conjunta é possível para mudar essa realidade.

Dra. Luciene Bessa