Texto Base: Lucas 16:13

A palavra de Deus nos diz o seguinte: “Nenhum servo pode servir dois senhores; porque, ou há de odiar um e amar o outro, ou se há de chegar a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom. ”

Essa tradução trata da transliteração da palavra aramaica com o sentido de ambição pela riqueza à ponto de ser tão forte na vida do homem que ela se antepunha à Deus com uma espécie de outra divindade. Daí o Senhor deixa muito claro que não podemos servir a Deus e ao dinheiro. Meus irmãos é a Cristo que estamos nos referindo quando falamos de fidelidade e Jesus também se refere agora nesse texto querendo dizer que o seu discípulo não pode ficar entre dois senhores, ou seja, entre o desejo de servir a ele e a ambição pelo dinheiro.

Esta é mais uma das parábolas que juntamente com a do filho pródigo, do mordomo Infiel, do jovem rico se propunha a encaminhar os seguidores de Jesus nos verdadeiros caminhos que conduzem ao reino de Deus. O pior de tudo é que segundo os estudiosos este vocábulo se referia a riqueza adquirida de fonte não correta o que não se encaixaria com a forma de vida que o discípulo de Cristo deveria adotar para o seu viver.

Nos dias de hoje vivemos momentos difíceis neste aspecto, pois as exigências sociais da vida moderna estão envolvendo cada vez mais os discípulos de Jesus de forma que muitas vezes fica difícil diferenciar a vida do crente daquela vivida pelo homem do mundo. A competição por empregos bem remunerados, a corrida pela moradia mais sofisticada, a ambição pelo carro importado, a vaidade pela moda mais inovadora e as roupas de marcas nos tem levado talvez à desfigurar o evangelho de Cristo que deveríamos mostrar ao mundo.

A palavra de reflexão que fica quando falamos sobre a fidelidade do Senhor é desafiadora e eu quero demonstra-la com uma pergunta.

Qual o grau de diferenciação que estabelecemos entre a nossa fidelidade a Deus e a normalidade da vida social que devemos ter?

Que o Senhor nos ajude a guardar nas devidas proporções nossa busca pelo padrão social e não permitir que isso nos prejudique.

Que Deus nos abençoe.

Amém

 

Em Cristo Jesus e porque Ele vive!
Pr. Antônio José Azevedo Pereira