Faz parte do patrimônio da fé cristã, especialmente, no segmento pentecostal, a expressão “O Sangue de Jesus Tem Poder”. Desde os primórdios da fé, os crentes sabem que há uma importância especial em referir-se e conhecer o significado espiritual e místico do sangue de Jesus. Neste artigo, desejamos enfatizar alguns aspectos relevantes para a compreensão bíblica e teológica do significado do “Sangue de Jesus”.

1. O SIGNIFICADO DA EXPRESSÃO “O SANGUE DE JESUS”. Jesus, ao encarnar, no ventre de Maria, recebeu corpo humano, com toda a sua constituição física e orgânica. Tinha tecidos, sangue, células, hormônios etc. Mas, a expressão “O Sangue de Jesus”, em sentido espiritual, vai muito mais além do significado natural do sangue que circula nas veias e artérias do ser humano. “O Sangue de Jesus” refere-se à eficácia de sua morte, mediante o derramamento de seu sangue para a redenção do homem, como requisito indispensável, exigido por Deus, para a remissão dos pecados (Mt 26.28).

2. SOMOS JUSTIFICADOS PELO SANGUE DE CRISTO. A salvação em Cristo é um processo complexo. Além da regeneração, ou do novo nascimento (Jo 3. 3,7), e da santificação (Hb 12.14), a justificação é indispensável para a absolvição do pecador ante a condenação. “Logo, muito mais agora, sendo justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira” (Rm 5.9; 23.21-26).

3. O SANGUE DE CRISTO PROPORCIONOU A RECONCILIAÇÃO E A PAZ COM DEUS. Uma vez justificados perante Deus, pelo sacrifício de Cristo (pelo seu sangue), a barreira de separação entre o homem e Deus, por causa do pecado (Is 59.1), foi derrubada, e fomos reconciliados com Deus, por meio de Cristo (2 Co 5.18,19). “Sendo, pois justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo” (Rm 5.1).

4. O SANGUE DE JESUS NOS PROPICIA A REDENÇÃO DOS NOSSOS PECADOS. Jesus Cristo pagou o preço de nossa redenção com o seu próprio sangue, ou sua morte, na cruz do Calvário. S. Pedro diz que fomos “resgatados” da nossa “Vã maneira de viver”… “com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado”(1 PE 1.18,19). A redenção de uma alma exige um preço tão alto que ninguém pode pagar (Sl 49.7-9). Jesus, “Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a saber, a remissão dos pecados” (Cl 1.14). “… e sem derramamento de sangue não há remissão” (Hb 9.22).

5. O SANGUE DE JESUS SUBSTITUI TODOS OS SACRIFÍCIOS. No Antigo Testamento, Deus exigia do pecador diversos tipos de sacrifícios. Havia os holocaustos (Lv 1); havia a oferta de manjares (Lv 2); havia o sacrifício pacífico, (Lv 3); existia a oferta pelo pecado involuntário (Lv 4);  e, por fim, havia a oferta exigida pela culpa (Lv 5).

Mas aqueles sacrifícios não removiam ou não “tiravam” os pecados. Apenas os “cobria”, aplacando a ira de Deus sobre o pecador. Diz o autor aos Hebreus: “… porque é impossível que o sangue dos touros e dos bodes tire pecados… E assim todo sacerdote aparece cada dia, ministrando e oferecendo muitas vezes os mesmos sacrifícios, que nunca podem tirar pecados, mas este (Jesus), havendo oferecido um único sacrifício pelos pecados, está assentado para sempre à destra de Deus, daqui em diante, esperando até que os seus inimigos sejam postos por escabelo de seus pés. Porque, com uma só oblação (sacrifício) aperfeiçoou para sempre os que são santificados” (Hb 11.4, 11-14 – parênteses acrescidos).

6. O SANGUE DE JESUS NOS DÁ VITÓRIA! Quando um irmão ou irmã, diante de uma ameaça iminente ou real exclama: “O Sangue de Jesus tem Poder”, não está apenas repetindo um jargão pentecostal. É uma exclamação de poder, que tem base na palavra de Deus. Diz o Apocalipse: “E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram a sua vida até à morte” (Ap 12.11). Não são poucos os testemunhos, no meio das igrejas cristãs, de irmãos e irmãs, em sua simplicidade, que clamaram “O Sangue de Jesus tem poder!” e foram libertos do poder do mal.

Pr. Elinaldo Renovato de Lima