Nossa História

NASCE A ASSEMBLEIA DE DEUS

Após encontrar-se nos Estados Unidos, mais precisamente em novembro de 1909, o sueco Gunnar Vingren participa de uma conferência na Igreja Batista de Chicago com o objetivo de buscar o batismo com o Espírito Santo. Ali, encontra o compatriota Daniel Berg e ambos recebem o Selo da Promessa. No ano seguinte, em um momento de oração na casa de Adolfo Ulldin, ouvem uma profecia que falava de um lugar desconhecido chamado Pará. O embarque ao novo destino foi no navio Clement. Após duas semanas, eles desembarcaram na Baía do Guajará, em Belém do Pará.

A chama pentecostal do batismo com o Espírito Santo trazida pelos nossos pioneiros encheu do seu fervor inicialmente a irmã Celina Albuquerque no dia 2 de junho de 1911 e no mesmo dia a irmã Maria de Jesus Nazaré Araújo também falou em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhe concedeu que falasse e louvou ao Senhor com um hino espiritual. Desde então, milhares de cristãos têm sido alcançados pela chama pentecostal.

Após desembarcarem em Belém do Pará, Vingren e Berg conheceram alguns irmãos de igrejas protestantes e passaram a congregar na igreja batista. A experiência vivenciada no avivamento dos Estados Unidos levou os pioneiros a testificarem de Jesus, salientando o batismo com o Espírito Santo e o uso dos dons espirituais.

Não demorou muito tempo para que a chama pentecostal trazida pelos missionários alcançasse os primeiros cristãos brasileiros. Conforme já visto, inicialmente o fogo do Pentecostes alcançou a irmã Celina Albuquerque dia 2 de junho de 1911. No mesmo dia a irmã Maria de Nazaré, que foi o segundo membro da igreja Batista de Belém do Pará, também foi batizada com o Espírito Santo. Esse fato motivou o desligamento de 19 irmãos da igreja batista, onde congregavam. Em virtude disso o irmão Henrique de Albuquerque e sua esposa Celina Albuquerque ofereceram a sala de sua casa, na Rua Siqueira Mendes, 67, bairro Cidade Velha, para que aqueles amados irmãos se reunissem. Nascia então a igreja Missão da Fé Apostólica no dia 18 de junho de 1911.

Depois de alguns meses o grupo pentecostal recém-formado passou a se reunir na Av. São Jerônimo, Nº 224. Já em 1914 transferiu-se para a Travessa 9 de janeiro, Nº 75.

No dia 11 de janeiro de 1918, a igreja foi registrada, oficialmente, como Assembleia de Deus, nome adotado por igrejas pentecostais nos Estados Unidos, em 1914, mesma época em que Gunnar Vingren veio ao Ceará.

O INÍCIO DA OBRA PENTECOSTAL NO CEARÁ

 A mulher nordestina é por natureza forte e corajosa, e foi com este espírito que Maria de Jesus Nazaré Araújo, em junho de 1914, encorajada pela graça de Deus embarcou sozinha em um navio rumo ao seu torrão natal, à cidade de São Francisco de Uruburetama, atual Itapajé, no Estado do Ceará.

Ao chegar à cidade de Fortaleza, a pioneira cearense precisou viajar três dias montada em um animal de carga até a residência dos seus familiares no Sítio Paudólio, no município de Itapajé.

O contato inicial da irmã Maria de Nazaré com os seus parentes não foi como desejado. Em razão da sua fé, sofreu hostilidades, a ponto de ser rudemente maltratada, ter sua Bíblia jogada no chão e ser expulsa.

Sem destino, a pioneira ouviu que alguém sussurrou: “ – Vá para o Sítio Santana. É lá que moram os protestantes”.

No Sítio Santana, Deus cumpriu integralmente tudo que havia falado ao coração da sua serva Nazaré. Raimundo de Salles Gomes e seu genro Vicente de Salles Bastos, que dirigiam uma congregação Presbiteriana Independente, acolheram a missionária e ainda creram na mensagem do batismo com o Espírito Santo, tornando-se pentecostais.

Em seguida, Maria de Nazaré e alguns irmãos desceram à Fazenda Lagoinha, um percurso de 21 quilômetros, e encontraram Cordulino Teixeira Bastos e Luiz Gonzaga Bastos, que dirigiam a segunda congregação Presbiteriana Independente. Eles também aceitaram à mensagem pentecostal.

Pastor Adriano Nobre Estabelece o Movimento Pentecostal no Ceará

Do centro da vila (atual Itapajé) a irmã Nazaré enviou um telegrama à igreja em Belém, relatando as boas novas do Evangelho ocorridas em sua terra natal. Empolgado com as notícias recebidas, Gunnar Vingren enviou o Pastor Adriano Nobre – Cearense, nascido na cidade de Pacatuba – para estabelecer os fundamentos do Movimento Pentecostal em solo cearense, ato que ele realizou com um culto no dia 20 de julho de 1914 na Fazenda Lagoinha. Esta data, desde então, foi oficializada como a data de fundação das Assembleias de Deus no Estado do Ceará. Este memorável culto foi marcado por muitas conversões ao Evangelho e pela manifestação do poder pentecostal.

A vida de Adriano Nobre como primeiro pastor da Assembleia de Deus no Ceará não foi fácil. Perseguido e preso na cadeia pública por dois dias foi escoltado, a mando do intendente Josué Teixeira Bastos, até o porto de Fortaleza e proibido de retornar a Itapajé para que a sua vida fosse preservada.

Os Primeiros Batismos em Águas

O local do batismo, no atual leito seco do rio São Joaquim, localizado na Fazenda Lagoinha, viveu, na segunda década do século XX, o que os irmãos em Atos 2 viveram na Igreja Primitiva em Jerusalém. Foi no fogo desse mesmo pentecostes que o Pastor Adriano Nobre realizou o primeiro batismo em águas no dia 29 de julho de 1914. Desta data, até o dia 24 de setembro deste mesmo ano, 72 irmãos e irmãs desceram às águas batismais.

O local histórico também recebeu, naqueles dias, o presidente das Assembleias de Deus no Brasil, Pastor Gunnar Vingren que visitava a primeira expansão da obra pentecostal no país, fora do Estado do Pará, tendo realizado o batismo de vários irmãos por ocasião da sua estadia no Ceará.

Na sequência dos anos, o Pastor Vicente de Salles Bastos, fez uso do mesmo local algumas vezes para efetuar batismos em águas. Um desses batismos ele registra e envia carta ao jornal Boa Semente, que publicou o acontecimento em 1923. O texto, como está escrito, diz: “De julho a outubro do ano corrente foram baptizados em água, pelo irmão Vicente de Salles Bastos, em Lagoinha, 34 irmãos. Também alguns foram baptizados com o Espírito Santo”.

Os Primeiros Obreiros Pentecostais do Estado do Ceará

A chama pentecostal trazida pela irmã Maria de Jesus Nazaré Araújo e confirmada pelo Pastor Adriano Nobre espalhou-se pelas terras cearenses, alcançando um número expressivo de irmãos em pouco tempo. Rapidamente percebeu-se a necessidade de novos obreiros para auxiliar no pastoreio desses servos de Deus.

Segundo dados históricos, no decorrer de um culto realizado na casa do irmão Cordulino, o Pastor Adriano Nobre fez o seguinte desafio aos irmãos presentes: o primeiro homem que Jesus batizasse com o Espírito Santo seria ordenado ao pastorado. Após intensa oração, Deus confirmou sua soberana vontade, selando com o Espírito Santo, o irmão Vicente de Salles Bastos. Este tornou-se o primeiro pastor ordenado no Estado do Ceará. Desde então, o Pastor Vicente de Salles Bastos auxiliava o Pastor Adriano Nobre nas reuniões de cultos, visitas e celebrações batismais.

No dia 12 de janeiro de 1915, o Pastor Gunnar Vingren realizou culto histórico que marcou sua despedida da Igreja cearense. Na ocasião efetuou as primeiras consagrações de obreiro: os irmãos, Raimundo Ferreira Gomes, que se congregava em Lagoinha e Raimundo Sales Gomes, o “Pai Sales”, do Sítio Santana, foram separados ao diaconato; os irmãos Luis Gonzaga Bastos e Antônio Sabino Pinheiro Bastos foram separados para servirem como presbíteros e o irmão Vicente de Salles Bastos teve sua consagração pastoral ratificada. Estes homens de Deus receberam a missão de dar seguimento à obra do Senhor, estabelecida pelo Pastor Adriano Nobre.

Alguns Missionários Estrangeiros que Estiveram nos Primeiros Anos da Assembleia de Deus do Ceará

O mesmo zelo que Cordulino Bastos tinha com o ambiente da casa de oração onde a Assembleia de Deus teve início em 20 de julho de 1914, prosseguiu com o diácono Raimundo Ferreira Gomes, comprador da referida residência em junho de 1915. Após o Pastor Gunnar Vingren ter pregado ali no início desse mesmo ano, quatro anos depois, em 1919, o pioneiro Luiz Gonzaga Bastos recebeu o Missionário Otto Nelson, que veio reacender a chama pentecostal na região do “Campo da Praia”. Essa região era formada pelo perímetro onde estão localizadas as cidades de Itapajé, Arraial (Uruburetama), Trairi, Paraipaba, Jardim, São Gonçalo do Amarante, Pentecostes, São Luiz do Curú, Riacho da Sela (Umirim).

Os próximos missionários a visitarem o Ceará seria o americano Paul John Aenis e esposa, no ano de 1922, e em dezembro de 1923, o sueco Lars-Erik Samuel Nyström. Um dos objetivos de Nyström ter vindo ao Ceará foi para comparecer ao enlace matrimonial do maranhense José Teixeira Rêgo com a itapajeense Francisca Pinheiro de Sousa, que residia naquela localidade.

O rio São Joaquim e a grande pedra, que ficam próximos da casa onde os cultos eram realizados e que foi escavada pela força escrava de seu antigo proprietário (irmão Cordulino) em 1910, a fim de reter a água da chuva, ainda hoje fazem parte do cenário que acolheu o polonês Bruno Skolimowski em 1924 e os americanos Virgil Frank Smith e Orlando Spencer Boyer a partir da década de trinta.

A IGREJA ASSEMBLEIA DE DEUS EM FORTALEZA

 Sobre a obra na capital cearense, iniciada por Ester Anderson em 1921, na Rua Tristão Gonçalves s/n, no centro de Fortaleza, não há registros. Somente com a vinda do Pastor Antonio Rego Barros, enviado pela “igreja mãe” em Belém do Pará, em abril de 1922, é que surgem os primeiros congregados no Sítio Tunga-Cocó, atualmente onde se localiza a Congregação do Parque Buenos Aires, no Bairro Luciano Cavalcante, na grande cidade de Fortaleza.

Os primeiros cultos da Igreja em nossa capital foram realizados em uma casa na Avenida Visconde do Rio Branco, nº 4141, no primeiro semestre de 1922.

No entanto, um grave problema de saúde fez o Pastor Barros regressar novamente a Belém do Pará, tendo na sua ausência a cooperação de pastores como José Teixeira Rêgo e o missionário Bruno Skolimowski. Coube a Skolimowski efetuar o primeiro batismo em águas na capital cearense no mês de julho de 1923.

Somente em 1929 o Pastor Antonio Rego Barros retornaria para oficializar a fundação da igreja Assembleia de Deus em Fortaleza-CE, no dia 07 de setembro do mesmo ano, na Rua Santa Terezinha, nº 146, no bairro do Arraial Moura Brasil.

A sucessão do pastor Antonio Rego Barros se deu em 06 de outubro de 1931, com a posse do pastor Julião Pereira da Silva, que se encontrava dirigindo a igreja em Itapajé. O Pastor Nels Nelson, que presidia a “igreja mãe” naquele momento, preferiu transferir o Pastor Antonio Rego Barros para Maceió, Alagoas e continuar com o Pastor Julião Silva na capital cearense, onde permaneceu por aproximadamente sete meses.

No dia 1º de maio de 1932, a igreja em Fortaleza recebe como Presidente, o Pastor José Teixeira Rêgo. Diante dos grande desafios financeiros enfrentados na época, no primeiro semestre de 1935 a Igreja passa a congregar-se temporariamente na Rua Visconde de Cauipe, nº 2440, hoje avenida da Universidade.

Ainda no segundo semestre de 1935 a Igreja aluga um galpão na rua Tereza Cristina, 673, onde passa a realizar seus cultos. No ano seguinte, em 1936, pelo valor de vinte e cinco Contos de Réis, a Igreja comprou este imóvel, onde já estava instalada.

O Pastor José Teixeira Rêgo, zeloso com a doutrina e ágil na evangelização, logo expandiu a igreja da capital para o interior do Estado e em 29 de novembro a 06 de dezembro de 1936 realizou a primeira reunião convencional dos pastores das Assembleias Deus do Ceará, ocasião em que se efetivou a ligação do Campo da Praia com a Igreja em Fortaleza.

No ano seguinte, mais precisamente no dia 10 de dezembro de 1937, o pastor José Teixeira Rêgo juntamente com alguns pastores e evangelistas realizaram e fundaram oficialmente a Convenção estadual de ministros da Assembleia de Deus cearense. Desde então, a igreja da capital se tornou a sede das Assembleias de Deus do Estado do Ceará. Na referida convenção, presidiu a Mesa Diretora, o pastor Nels Nelson e como vice, o pastor Virgil Frank.

Na ação pastoral do Pastor José Teixeira Rêgo, a Igreja em Fortaleza alcançou notório crescimento em todas as áreas de sua atuação, tanto ministerial, quanto patrimonial. O fato marcante dessas realizações foi a inauguração solene do Templo Central das Assembleias de Deus do Estado do Ceará em Fortaleza, no seu tradicional endereço, a Rua Tereza Cristina, 673, Centro, no dia 1º de Maio de 1942.

Ao falecer em 5 de dezembro de 1960, o Pastor José Teixeira Rêgo foi aclamado como “Apóstolo do Ceará” e em seu lugar foi empossado no dia 26 de janeiro de 1961, o Pastor Armando Chaves Cohen, ficando no cargo pouco mais de um ano.

No dia 07 de fevereiro de 1962 assumiu o pastorado da Assembleia de Deus em Fortaleza, o Pastor Emiliano Ferreira da Costa. Este, realizou um profícuo trabalho na igreja cearense. No ano de 1964, o Pastor Emiliano Ferreira da Costa coordenou a celebração do Jubileu de Ouro das Assembleias de Deus no Ceará. O evento seguiu o seguinte cronograma: as festividades tiveram início em Itapajé no mês de julho e posteriormente no mês de setembro na Igreja em Fortaleza.

No dia 1º de maio de 1985, o Pastor Emiliano veio a falecer, e três dias depois assumiu a presidência da igreja o Pastor Sebastião Mendes Pereira, o Pastor Bastos, como era conhecido. Durante seus 25 anos de liderança à frente das Assembleias de Deus no Ceará, realizou dezenas de projetos que fizeram prosperar a obra do Senhor em todo Estado, inclusive a última reforma do majestoso Templo Central.

No dia 03 de junho de 2010, o Pastor Bastos foi recolhido às mansões celestiais e foi sucedido pelo Pastor José Deusdedith Farias, o qual permaneceu no cargo por quase um ano, vindo a falecer no dia 05 de maio de 2011. O Pastor Deusdedith serviu à igreja do Senhor em Fortaleza como membro das diretorias da igreja e da convenção nas gestões do Pastor Emiliano e do Pastor Bastos, e como presidente, deu continuidade ao trabalho dos seus antecessores.

Após breve período de transição, por ocasião da Magna Assembleia Geral Extraordinária, no Templo Central, no dia 06 de junho de 2011 foi eleito por aclamação para assumir o pastorado da igreja, o Pastor Antonio José Azevedo Pereira. Em sua palavra, por ocasião da posse, uma frase inspirada por Deus se transformaria no lema da novel liderança pastoral da IEADTC: “O Senhor promete à sua igreja um tempo de Restauração, Misericórdia e Ensino”.

A ASSEMBLEIA DE DEUS MINISTÉRIO TEMPLO CENTRAL EM 2014

Sob a presidência do pastor Antonio José, a IEADTC, sigla pela qual se identifica a Assembleia de Deus Ministério Templo Central, está experimentando um tempo de grande avivamento e mudanças em todas as áreas do ministério eclesiástico.

A diretoria geral da igreja, bem como as lideranças dos mais diversos ministérios, estão trabalhando pelo crescimento continuado de uma igreja fiel, com visão missionária, forte na proclamação da Palavra de Deus, na oração, na ação social e que seja conhecida pela sua vida irrepreensível. Para isso foi implantado um projeto evangelístico único para as igrejas inseridas em cada setor eclesiástico da IEADTC, proporcionando assim, uma ação pastoral integrada, visando juntar forças para gerar comunhão e concentrar esforços para promover a evangelização integral, e a unidade da igreja. É o Projeto Atos 2. A IEADTC, conta hoje somente na grande cidade de Fortaleza-CE, com 251 congregações, cinco projetos sociais gerenciados pelo Instituto Restaurar de Desenvolvimento Social, onde abriga aproximadamente quatro mil crianças e adolescentes; além de está promovendo a obra de missões urbanas, estadual, nacional e principalmente a obra missionária transcultural, mantendo missionários em todos os continentes.

Na área do ensino conta com o STADEC, Seminário Teológico da Assembleia de Deus no Estado do Ceará, o qual por mais de vinte anos tem contribuído de forma decisiva para o crescimento espiritual e a formação acadêmica de muitos irmãos e irmãs.

Veja abaixo a nossa história em um encarte especial comemorativo do nosso Centenário.

Nossa História