“Todos os dias, no templo e de casa em casa, não deixavam de ensinar e proclamar que Jesus é o Cristo” (Atos 5:42 – NVI)

         A igreja primitiva, sem dúvida, é o exemplo a ser seguido pela igreja hodierna. Está registrado, no livro de Atos dos Apóstolos, a sua dinâmica na evangelização e no discipulado. Os primeiros cristãos atuavam no ensino e proclamação do evangelho no templo (ou publicamente), mas sobretudo, de casa em casa. Eles eram eficientes no ensino e no relacionamento, e diariamente se reuniam no templo e nas casas com o propósito de ganhar vidas para Jesus e cuidar com excelência de cada uma delas.

         A estratégia utilizada pela igreja primeira era a comunhão com os “do caminho” e o relacionamento “com segundas intenções[1] com os não-crentes. Há algum tempo foi feita uma pesquisa que afirma que, depois de dois anos de fé, cerca de 90% dos crentes não possuem mais amigos fora da Igreja. Como ganharemos o mundo para Jesus agindo desta maneira? É preciso vivermos uma vida missional, e estabelecermos metas para ganharmos as pessoas ao nosso redor para Jesus. A base do discipulado de Jesus são os relacionamentos pessoais e o ensino da Palavra de Deus.

          Romeu José de Assis, em seu livro “Igrejas com Grupos de Crescimento”, conta-nos uma parábola interessante a respeito da Igreja de Duas Asas[2], que transcrevo aqui:

         “A Igreja é comparada a uma grande águia, que voava alto e feliz com as suas duas asas. Uma asa representa o templo e a outra, as casas. E assim cumpria a sua missão: ganhar almas para Cristo. Quando o imperador Constantino se tornou cristão, tornou a igreja oficial e a incentivou a se reunir com pompa no templo. Na catedral. As reuniões nas casas começaram a diminuir. Desse tempo em diante, a igreja do Senhor teve uma de suas asas amarrada ao corpo, passando a voar com apenas a asa do templo. Por vários séculos voou mais baixo, sendo indescritíveis as dificuldades enfrentadas. Já no século XX, bastante sofrida, Deus resolveu mudar o rumo das coisas. Revelou a alguns de seus servos o modelo registrado no livro de Atos dos Apóstolos, tornando claro o seu entendimento e aplicação. Esses homens colocaram-se em ação para desamarrar a segunda asa da Igreja e movimentá-la outra vez, desatrofiando-a”.

         A Igreja pode voar alto, como a águia, alcançando o mundo ao seu redor através da evangelização e do discipulado nos lares. O Novo Testamento está repleto de passagens que nos mostram que a igreja se reunia nas casas. A maioria das igrejas plantadas pelos Apóstolos iniciaram nas casas de famílias. Vejamos alguns exemplos em: Atos 2.2; Atos 2.46; Atos 5.42; Atos 8.3; Atos 12.12; Atos 16.40; Romanos 16.5; 1 Coríntios 16.19; Filipenses 4.22; Colossenses 4.15; Filemon 1.2. Vale a pena investirmos nessa metodologia, pois é atual e, também, bíblica. Quando obedecemos às orientações bíblicas temos resultados bíblicos!

         À luz da Nova Aliança, concluímos que a igreja deve sair das quatro paredes do templo e alçar voos cada vez mais altos, atuando também nas casas, que é onde a maioria das pessoas a serem alcançadas se encontram.

Deus conta contigo para essa nobre tarefa!

JOARY JOSSUÉ CARLESSO é Pastor (CIADESCP/CGADB), Supervisor do Setor 08 – Shalom da IEADJO (Igreja Evangélica Assembleia de Deus de Joinville/SC), Coordenador Geral do Departamento de Evangelismo e Discipulado da IEADJO. Secretário do DECOM (Departamento de Comunicação), da CIADESCP, Membro da Comissão Pró-Centenário da CIADESCP e Membro da Comissão de Planos e Estratégias de Evangelização e Discipulado da CGADB. Bacharel em Teologia, Pós-Graduado em Aconselhamento Cristão, Professor do Curso de Pós-Graduação em Discipulado e Cuidado da Faculdade Refidim.


[1] A intenção de cada crente era manter um bom relacionamento e andar em bom testemunho para alcançar todos o seu círculo de convivência para Cristo.

[2]ASSIS, Romeu José de. Igreja com grupos de crescimento: portas abertas para o evangelho. Londrina: Editora Descoberta, 2001.