Lc 8.1-3

1. E aconteceu, depois disto, que andava de cidade em cidade, e de aldeia em aldeia, pregando e anunciando o evangelho do reino de Deus; e os doze iam com ele;

2. E algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual saíram sete demônios;

3. E Joana, mulher de Cuza, procurador de Herodes, e Suzana, e muitas outras que o serviam com seus bens.

Os quatro evangelhos registram a presença feminina no ministério de Jesus. É interessante observar como Lucas menciona especificamente o serviço das mulheres que seguiam ao Senhor.

Algumas dessas mulheres que tinham sido curadas de várias doenças e enfermidades eram esquecidas, discriminadas e maltratadas. Elas, porém, encontraram em Jesus a verdadeira manifestação do amor de Deus.

Agradecidas a Deus pelos seus benefícios em suas vidas, decidiram acompanhá-lo e colaborar em seu ministério prestando-lhe assistência com seus bens e serviços. Elas seguiam a Jesus e dedicavam a Ele lealdade exclusiva. Elas o seguiram até a morte (Mc 15.40,41).

Jesus valorizava as mulheres! Ele quebrou as barreiras impostas ao sexo feminino na cultura judaica, resgatando os valores da dignidade e da honra devidos às mulheres.

Jesus as incluiu em sua vida e em seu ministério. Ensinando-as, ouvindo-as e mostrando-lhes o seu valor como filhas de Deus.

Mulheres que trabalharam arduamente na Igreja Primitiva:

As mulheres da Igreja Primitiva trabalhavam em prol da recompensa eterna. O apóstolo Paulo não precisava explicar para os irmãos sobre o trabalho de Febe, Maria, Trifosa, Trifena e Pérside (Rm 16.1,6,12,).

Toda a Igreja tinha conhecimento que eram mulheres comprometidas com o Reino de Deus. Elas trabalhavam incansavelmente na obra do Senhor. Essas mulheres eram verdadeiras discípulas de Jesus. Eram colaboradoras fiéis e dedicadas nas ações do serviço do Reino de Deus (Rm 16).

O que era realmente o trabalho árduo que essas mulheres faziam?

Elas oravam (At 1.14); enfrentavam as prisões (At 8.3); viajavam com os apóstolos em suas jornadas missionárias (At 18.18); ensinavam (At 18.26); proclamavam o evangelho (Fp 4.3); supriam as necessidades relativas ao serviço ministerial de Paulo e de seus companheiros (At 16.15); se encarregavam do serviço social –  costuravam e cuidavam dos pobres e necessitados, etc. (At 9.39).

Essa lista é apenas representativa, pois o número de mulheres que trabalharam arduamente nos primórdios da Igreja é bem maior do que podemos imaginar. Elas dedicaram seus talentos, recursos, dons e habilidades para servir ao Senhor. O exemplo dessas mulheres transmite para nós lições que nos inspiram a seguir ao Senhor.

É inegável que a mulher sempre teve um papel importante na expansão do Reino de Deus. Em nossos dias, o trabalho que as mulheres realizam é digno de destaque.

Como na Igreja Primitiva, as mulheres continuam trabalhando arduamente na oração, no serviço social, na arrecadação de recursos, na evangelização, no acolhimento dos novos convertidos, na assistência aos necessitados, nas visitas aos enfermos aos lares, aos hospitais e como profissionais das mais diversas áreas de atuação se disponibilizam a servir voluntariamente na causa do Mestre.

Entendemos que servimos ao Senhor quando efetivamente servimos ao seu povo. Inspiradas pelo exemplo dessas mulheres dedicadas a causa de Cristo, continuemos firmes e proativas nas ações que nos são requeridas no serviço do Reino de Deus.

Amadas! Continuemos incansáveis na luta, firmes na fé e vitoriosas em Cristo Jesus! 

No amor de Cristo Jesus!

Janilda Brandão!