” Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam.” (Salmo 127a)

Para se edificar uma casa é necessário inicialmente organizar um projeto dessa construção com o objetivo de responder a algumas perguntas básicas: Que tipo de casa queremos construir?  Onde construir? Qual o investimento? O texto acima fala da edificação de uma casa. O tempo que se gasta para planejar e organizar um projeto é muito importante, pois com isso se evita gastos excessivos e futuros problemas com a nova estrutura. A bíblia diz: Pois qual de vós, querendo edificar uma torre, não se assenta primeiro a fazer as contas dos gastos, para ver se tem com que a acabar? Para que não aconteça que, depois de haver posto os alicerces, e não a podendo acabar, todos os que a virem comecem a escarnecer dele, dizendo: Este homem começou a edificar e não pôde acabar (Lc 14:28-30). Da mesma forma que aquele homem não tinha um planejamento  de engenharia para construir uma torre e foi escarnecido pelas pessoas, nós necessitamos de um projeto  existencial organizado que seja um modelo que reflita o Senhor Jesus como construtor, orientador e mentor de nossa vidas.  Um Jovem que está pensando em edificar uma casa precisa refletir qual o formato espiritual, emocional e físico que almeja vislumbrar no futuro. Essa preocupação hoje acompanhada de um relacionamento puro e sincero com Senhor, evitará que as tempestades da vida e os conflitos inevitáveis do futuro destruam a edificação. Todo projeto existencial de vida deverá ser medido  e baseado em planejamento e expectativas apreendidas pelas escrituras para que a  futura família seja uma benção diante de Deus. Infelizmente esses pequenos detalhes vão sendo postergados  para o casamento  e esquecidos no período de namoro. Toda a expectativa e interrogações são satisfeitas quando paramos para escutar  e colocar em prática nas nossas vidas os conselhos do grande construtor, Jesus Cristo, que nos dá  uma grande  lição de  engenharia   e  edificação  no seguinte trecho de Mateus: Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha; E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha. Mt 7.24-27. Gostaria de fazer uma pergunta provocativa: “Que tipo de casa se quer construir?” Uma casa cujo o alicerce é edificada na  Rocha ou uma casa cujo alicerce é edificada na Areia ? É importante lembrar, que fazemos parte de um ciclo rotativo de vida, os jovens de hoje serão os Pais de família de amanhã. Portanto os valores e princípios bíblicos e os dons aprendidos por esses jovens, em casa, serão levados para a futura família. Os princípios de aliança, de uma só carne, fidelidade, perdão  são como tijolos de um grande edifícios que queremos construir usando a argamassa que são a oração e a unção que quebra o jugo. Em efésios, no capítulo 6, as escrituras nos dão uma receita geral  para o jovem ser feliz para  toda sua vida: Filhos, o dever cristão de vocês é obedecer ao seu pai e à sua mãe, pois isso é certo. Como dizem as Escrituras: “Respeite o seu pai e a sua mãe. “E esse é o primeiro mandamento que tem uma promessa, a qual é  “Faça isso a fim de que tudo corra bem para você, e você viva muito tempo na terra.” (Ef 1-4). Em resumo o Senhor nos pede para obedecer os pais e respeitá-los  para que tudo corra bem e vivamos muito tempo sobre a terra . Um jovem feliz vai fazer outro jovem feliz , mas um jovem infeliz vai gerar  um  outro relacionamento infeliz.

        Respondendo a segunda pergunta a palavra de Deus diz: Portanto deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á à sua mulher, e serão uma só carne (Gn 2:24). Esse versículo responde a pergunta onde construir a nova casa. Isso implica que os recém casados deixarão a casa de seus pais de forma emocional, espiritual e física.   Eles estarão construindo no coração de ambos uma atmosfera de paz, através da semeadura de palavras, atitudes e ações dentro do espaço geográfico da sua família e com isso motivando seus filhos a serem faróis para a sociedade. Hoje observamos que muitos filhos casam e não só continuam morando na casa de seus pais mais também  continuam dependendo financeiramente e emocionalmente . Isso é totalmente contrário a  Palavra de Deus.

A última coisa é  o  investimento (tempo, finanças e outros) com  ações concretas , para execução do projeto  dentro da família. Para isso tentemos fazer algumas reflexões, como: Que tempo disponho com o Senhor e minha família (Culto doméstico)  e esse tempo é de qualidade, ou seja,  é exclusivo? Que elogio estou fazendo a minha esposa e aos meus filhos? São sinceros ou apenas bajulações?  Chamo a atenção para  o livro de Gary Chapman, sobre as cinco linguagem do amor que ressalta a linguagem predominante não somente dos cônjuges na família, mas dos  filhos . Gostaria de apresentar um resumo das cincos linguagem de amor predominante em cada ser humano, que são: Palavras de Afirmação: são sentenças expressas em: elogios como “a janta estava ótima”, afirmações, (ex.: acho que você faz isso muito bem), e incentivos como: “vai dar tudo certo”.  Qualidade de Tempo: é a dedicação de um tempo exclusivo, ainda que pequeno. As expressões ou dialetos podem ser: conversas de qualidade, passeios, assistirem tv juntos, etc; Presentes: o que menos importa é o valor financeiro. Pode ser: colher uma flor, comprar uma pizza, dar uma joia. Gestos de Serviços: aqui o que você faz fala mais alto do que qualquer palavra. Dialetos: lavar a louça, consertar a fechadura, levar o lixo pra fora, etc; Toque Físico: o importante é saber quando, como e onde tocar a pessoa. Ex: beijos, abraços, cutucão com o cotovelo, por a mão no ombro, relações sexuais, etc; Todos têm uma linguagem principal, e ainda que você diga “eu te amo” nas outras quatro linguagens seu cônjuge continuará sentindo apenas sua indiferença. O importante e é usar a linguagem correta constantemente e se aperfeiçoar em conhecer dia a dia todas as formas, ou, dialetos pelos quais sua expressão é entendida da forma mais efetiva.

Que Deus nos ensine a termos a sensibilidade de deixá-lo construir a nossa casa usando os meios que Ele tem colocado a nossa disposição que são: A nossa vida, nossos filhos, nosso cônjuge e também nossos Pais.

Que Deus em Cristo nos abençoe.

 Antônio Sérgio Costa Lima – Pastor Auxiliar e Coordenador do Ministério da Família na IEADTC.