Explicando o contexto que contém a exceção. 

Para fazermos uma melhor exegese do versículo nove do capítulo dezenove   temos que analisá-lo dentro  da narrativa de seu contexto bíblico que diz:

Então chegaram ao pé dele os fariseus, tentando-o, e dizendo-lhe: É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo? Ele, porém respondendo, disse-lhes: Não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez? E disse: Portanto deixará o homem pai e mãe, e se unirá à sua mulher e serão os dois uma só carne? Assim não serão mais dois, mas uma só carne. Portanto o que Deus ajuntou não o separe o homem. Disseram-lhe eles: Então porque mandou Moisés dar-lhe carta de divórcio, e repudiá-la? Disse-lhes ele: Moisés por causa da dureza dos vossos corações vos permitiu repudiar vossas mulheres; mas no princípio não foi assim. Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de prostituição, e se casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério. Disseram–lhe seus discípulos: Se assim é a condição do homem relativamente à mulher, não convém casar. Ele, porém, lhes disse: Nem todos podem receber esta palavra, mas só aqueles a quem foi concedido. Porque há eunucos que assim nasceram do vente da mãe; e há eunucos que  se castraram a si mesmos por causa do reino dos céus . Quem pode receber isso, receba-o (Mt 19.1-12).

O texto acima inicia com uma pergunta contraditória: É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo? A intenção dos fariseus não era legislar sobre o divórcio ou segundo casamento, nem muito menos ficar sabendo o que pensavam as escolas teológicas da época. O que os fariseus queriam no texto acima era desacreditar ou se opor  a  pessoa de Jesus colocando-o diante de uma situação desconfortável  perante a lei, os discípulos e o povo. Hernandes Dias, em Casamento Divórcio e novo Casamento, faz o seguinte comentário sobre a intenção dos fariseus: “O propósito deles era colocar Jesus em uma situação embaraçosa- contra Moisés ou contra Herodes , que estava casado com a mulher  de seu irmão, se Cristo tivesse respondido à pergunta negativamente, eles poderiam afirmar que Jesus  estaria impropriamente abolindo a lei de Moisés ; se sua resposta fosse afirmativa , eles poderiam dizer que Ele não era profeta de Deus , mas  um promotor  da lascívia humana” [1]. 

Já Robert  J. Plekker  no seu livro Divórcio à luz da bíblia , escreve o seguinte :Não tendes lido…? “Você não leu na sua bíblia? Se você a leu, você a considerou estudou, e orou para ser instruído por ela? O Senhor não deu uma resposta com um sim ou não. Por que não? Porque a pergunta era uma armadilha. Se Cristo tivesse respondido não, os fariseus poderiam  tê-lo acusado de ser um inimigo da lei de Moisés, que permitia o divórcio. Se ele tivesse respondido sim, os fariseus poderiam tê-lo acusado de  ser transigente. Portanto , em vez de responder com um sim ou não , Jesus lhes responde (e a nós)com sua própria pergunta no versículo 4. ”Então respondeu ele: não tendes lido que o Criador desde o princípio os fez homem e mulher que disse: Por esta causa deixará o homem  pai e mãe , e se unirá a sua mulher…?”.[2]

Embora houvesse diferentes opiniões entre eles a respeito desse assunto a resposta de Jesus foi didática e objetiva. Ao responder de uma forma incisiva com a pergunta não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez?  O senhor responde aos fariseus se eles não leram a Palavra, principalmente gênesis 1.27-28, que fala da responsabilidade que Deus entregou ao homem e a mulher, seres biologicamente  competentes,  para  dominar a terra  e viver como uma equipe de uma só carne. Mostrando que para essa missão o casamento tem que ser heterossexual e não homossexual que é condenado pelas escrituras (Lv 18.22-29;Gn 29.5; Dt 23. 17,18;  Jz 19.22,23;Rm 1.24-27;1 Co 6.9,10 ;1 Tm 1.9,10).

Depois Ele disse: Portanto deixará o homem pai e mãe…, para deixar o estado civil de solteiro tem que sair, geralmente, da casa dos pais para uma vida de equipe. O que não acontece com aqueles que se divorcia que deixam a mulher ou o homem com quem se está casado ou casada. A segunda parte do versículo diz: e se unirá à sua mulher…, também o casamento é monogâmico, ou seja, uma mulher para um homem. Tanto a poligamia que é a união de um homem com várias mulheres e a poliandria de mulher com vários homens, está fora do projeto de Deus para o ser humano. A Bíblia mostra o padrão de cada crente, quando estabelece: “Cada um tenha a sua própria esposa, e cada uma, o seu próprio marido (1 Co 7.2). Portanto princípio de Deus é uma mulher exclusiva que não foi de outro homem, como acontece no novo casamento. E finalmente  a outra parte: E serão os dois uma só carne…, vemos  nessa última parte uma prova  legítima de Deus em mostrar que a união monos somática  entre um homem solteiro com uma mulher também solteira, sela de uma vez por todas um mistério real da unidade de um corpo. Como diz o Curso Casados para Sempre do ministério dois igual  a um, a respeito desse assunto:  “Juntos tinha as mesmas qualidade que adão possuía sozinho, mas no plano de Deus , o poder e a habilidade combinados era maior”[3].

John Stott, no seu livro, as grandes questões do sexo, resume a resposta de Jesus aos fariseus sobre essa questão:” Primeiro, Jesus endossou a estabilidade do casamento.É significativo o fato de ter dado aos fariseus a resposta direta à pergunta  que lhe fizeram sobre o divórcio. Em lugar disso  ele lhes falou sobre o casamento; reconduzindo-os a Gênesis 1 e 2 e pergunta-lhes Incredulamente, se não tinham lido esses capítulos chamou a atenção deles pelo  dois  fatos, a saber: que a sexualidade humana era criação divina, e que o casamento era ordem divina . Ele ligou dois textos – Gênesis 1:27 e 2:24- Não há ambigüidade no ensino. Os laços matrimonias são mais dos que um contrato humano: São um jugo divino.[4]

Os fariseus não se deram como vencidos na sua intenção  de pegar  Jesus em uma armadilha, fizeram a segunda pergunta:  Disseram-lhe eles: Então porque mandou Moisés dar-lhe carta de divórcio, e repudiá-la?

Jesus mostrou muita sabedoria diante da pergunta dos fariseus e respondeu o seguinte: Moisés por causa da dureza dos vossos corações vos permitiu repudiar vossas mulheres; mas no princípio não foi assim. A resposta de Jesus, …  por causa da dureza dos vossos corações vos permitiu…,mostra uma causa singular das desculpa que os casais usam  não somente  para o divórcio, mas para  todos os tipos de  separações que afligem a sociedade e a família hoje. Na realidade a causa maior  da dureza de coração está no  campo espiritual, ou seja uma pessoa que esta em rebelião com Deus, como disse Robert Plekker no seu livro Divórcio à luz da bíblia: “ Corações endurecidos  – um afastamento de Deus . Como eu disse antes , isto não foi um elogio. Foi precisamente àquela altura que o Senhor estabeleceu a compreensão  chocante para muitos crentes de hoje, de que o divórcio significa negar a Jesus e  rejeitar o seu senhorio em suas vidas . Ele diz, de fato: A lei de Moisés levou em consideração a dureza do coração do homem. Mas o evangelho que eu prego previne essa doença “[5].

John Stott, diz sobre essa segunda resposta o seguinte: Assim o que eles denominavam “mandamento” Jesus chamava de “permissão”, e permissão relutante devida a obstinação humana, antes a intenção divina. O erro dos rabinos estava em ignorar a diferença entre a vontade absoluta de Deus (Gênesis 1 e 2) e a provisão legal a pecaminosidade humana(Deuteronômio 24).[6]

[1]  Lopes,Hernandes Dias- Casamento,divórcio e novo casamento;São Paulo,SP. Hagnos. 2005:P.22.

[2]J.Plekker,ROBERT. Divórcio à luz da Bíblia.Edições Vida Nova.2000:P.34.

[3] Casados Para Sempre.Marriage  Ministries  International- Brasil Caixa Postal44-Pompéia SP-Ce:17580-970.

[4]John Stott. Grandes Questões sobre Sexo.Niterói.Rio de janeiro.Vinde Comunicações .1993:p78.

[5] J.Plekker,ROBERT. Divórcio à luz da Bíblia.Edições Vida Nova.2000:P.36.

[6] John Stott. Grandes Questões sobre Sexo.Niterói.Rio de janeiro.Vinde Comunicações

.1993:p.80.

Continuaremos explicando sobre  polêmica  exceção na parte 3.

Antônio Sérgio Costa Lima – Pastor Auxiliar e Coordenador do Ministério da Família na IEADTC.