Tradicionalmente, conhecidos como divisões filosóficas, os termos “Igreja Militante” e “Igreja Triunfante” podem se confundir, ou trazer entendimentos diferenciados.

 A igreja militante é a atual igreja que peregrina na terra, formada por pessoas de todas as nacionalidades, durante mais de dois mil anos, iniciando sua trajetória em Jerusalém com a descida do Espírito Santo no dia de Pentecostes, conforme Atos capítulo 2. A partir daquele momento, a igreja que fora comprada com o precioso sangue de Cristo, recebe uma incumbência como descrita em Marcos 16:15, de “ir e pregar o evangelho a toda criatura”. A partir de então, essa igreja desenvolveu um trabalho de pregação do evangelho, anunciando o Reino de Deus na terra, e este vem sendo propagado em muitas nações, até os dias de hoje.

            Mas, ao longo dessa história, a Igreja se deparou com poderes adversários que vieram ao longo dos séculos para tentar destruir essa caminhada vitoriosa. E por isso, essa igreja militante manifesta na terra o poder de Deus e a pregação do evangelho, além de expandir o Reino de Deus, e preparar os membros da igreja como verdadeiros soldados de Cristo. Essa militância, que cada um desenvolve, é relatada em 2 Timóteo 3:17, em que devemos estar devidamente preparados para a toda boa obra, porque o homem de Deus deve ser perfeitamente instruído para esta.

           Esta passagem traduz que a igreja, bem como seus membros, são “militantes” de uma peleja espiritual contínua. Em Gálatas 4:19 Paulo diz: “Meus filhinhos, por quem de novo sinto as dores de parto, até que Cristo seja formado em vós. ”  Desse modo, nesse preparar do crente, a igreja tem o dever de dar acompanhamento, de fazer discípulos de Cristo. E aplicando as palavras do profeta, isto é, “para cada um até que Cristo seja verdadeiramente formado em nós”. O militante deve estar devidamente preparado para os embates espirituais, com uma fé firme em Deus, semelhante ao monte de Sião, “que não se abala, mas permanece para sempreSalmos 125:1.

          Nesse sentido, as dificuldades podem vir como chuva, ou como tempestade que tenta destruir os complexos da mente, ou ainda, como os rios que enchem, mas uma casa edificada jamais poderá cair. Isto representa uma igreja militante, na qual os membros devidamente preparados para toda a boa obra enfrentam constantemente o reino das trevas, batalham e não recuam.

         Em Hebreus 10:38 diz “somos chamados pra viver pela fé, mas se recuar, a minha alma não terá prazer nele”, ou seja, nessa caminhada da fé, não existe a marcha ré. Está escrito em Judas 3, que uma vez foi entregue a fé para nós, “e nós devemos agora batalhar diligentemente pela fé, que uma vez foi entregue aos santos”. A maior batalha a enfrentar, é justamente essa: a fé de estar preparado para os embates da vida e pelejarmos para enaltecermos a Cristo. Já em Colossenses 1:26-27, nos diz: “este é o segredo de Deus, que estava escondido em todas as gerações, mas que manifesta agora para os santos da atualidade, que Cristo em nós, é a manifestação da Glória de Deus”. Essa formação de Cristo em nós para que seja manifesto o poder de Deus na terra, é que faz com que a igreja seja como uma luz que resplandece toda a Glória de Deus e vai atraindo mais pessoas que vão crendo porque veem o resplandecer dessa luz de Cristo, que é a Igreja.

                 A igreja militante tem esse grande desafio: participar desta guerra espiritual. Até chegar aquele dia, o dia da nossa passagem dessa terra para a eternidade. Seja através da morte ou do arrebatamento, tudo será concluído quando Jesus vier buscar a sua igreja e levar todo o seu povo, e também os que dormiram em Cristo conforme I Tessalonicenses 4:13-17, ali teremos o nosso corpo glorioso.

                 Ensina-nos ainda I João 3:2, dizendo: “filhinhos, ainda não se manifestou em nós o que haverá de ser”, mas naquele dia quando olharmos para Jesus, e vermos como Ele é, nós seremos semelhantes a Ele. Esse projeto da glorificação do nosso corpo será concluído no grande dia e na presença do próprio Jesus, olhando nos seus olhos e vendo como Ele é, então, nós teremos um corpo semelhante ao d’Ele, uma eterna igreja triunfante.

                Uma igreja que chega à casa do Pai de modo triunfante, vitoriosa, como diz a Palavra, vai ser questionada conforme descreve Cantares 6:10: “quem é esta que aparece aqui alva como o dia, brilhante como o sol, formosa como a lua, imponente como o exército com bandeiras? ”. Essa é a igreja do Senhor, a igreja triunfante abordada por Paulo que em Efésios 5:22 fala “a igreja do Senhor não tem defeito, nem manchas, nem ruga, mas é eleita, santa e gloriosa”. Assim essa igreja gloriosa e triunfante que agora chega preparada como uma noiva – uma esposa vai ficar com Jesus eternamente no céu, e é ali no céu onde irão morar com o Senhor para sempre.

                Efésios 3:10 nos promete que será manifestado também em todas as potestades “a multiforme sabedoria de Deus”, e a Sua grandeza será revelada lá pela igreja triunfante, a igreja que chegou e venceu o diabo, venceu também o mundo e a carne e chegou vencedora pois comprada foi pelo precioso sangue de Cristo e fortalecida pela palavra e pelo Espírito. Por fim, vencendo todas as dificuldades e lutas dessa terra, Paulo trouxe uma mensagem de refrigério ao dizer que “isso tudo é uma leve e momentânea tribulação comparado ao peso eterno da Glória que receberemos lá.” 2 Coríntios 4:15.

                Desse modo, conclui-se que a igreja militante não é a mesma igreja triunfante, ao longo da guerra nem todos os soldados que são alistados chegam até ao final. Mas com certeza, só participam da igreja triunfante, aqueles que fazem parte da igreja militante e nesse sentido, a militância ao lado de um general que nunca perdeu uma batalha, torna mais fácil a peleja, fortalecendo a fé e a certeza da vitória.

Pr. Raul Cavalcante- Pres. AD Imperatriz